domingo, 25 de junho de 2017

Licitação para duplicação da rodovia Everaldo Martins pode sair ainda em junho

23/06/2017 - G1 Santarém

LINK DA MATÉRIA

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Jackson anuncia duplicação da BR-235

23/06/2017 -  Boa Informação

O governador Jackson Barreto, em entrevista a FM 93.1, em Itabaiana, apresentou que a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Agrese) publicará, nas próximas semanas, o edital de chamamento para as empresas interessadas na concessão da duplicação da BR-235, a partir da avenida Osvaldo Aranha (saída de Aracaju), até o acesso ao povoado Terra Dura, em Ribeirópolis, passando por Itabaiana. 

A gestão estadual já realizou estudos para o modelo de Parceria Público Privada (PPP) que viabilizará a duplicação da via.

“Nós tratamos da questão da duplicação da BR-235 no Ministério dos Transportes e a filosofia do governo atual é de fazer concessão, por meio de PPPs e fizemos essa proposta e, agora, vamos publicar o edital para que as empresas manifestem interesse na concessão. Após as empresas manifestarem este interesse, a gente fará a análise e mandará para o Ministério dos Transportes, que definirá a empresa que terá a concessão da duplicação da BR-235. Então já estamos bem avançados no processo”.

Foto: ASN
Foto: ASN

De acordo com o governador, há muito tempo o Estado luta para viabilizar essa obra, que dialoga com os demais investimentos feitos pelo Executivo estadual na região do Agreste sergipano, principalmente em Itabaiana. “Diante de tantos investimentos em Itabaiana, a duplicação da BR-235 é um dos mais importantes para toda essa região e para Sergipe. Desde o início da nossa gestão, coloquei na cabeça que precisávamos duplicar a 235, justamente porque, hoje, são mais de 16 mil veículos circulando por dia de Aracaju a Itabaiana e nos horários de pico fica difícil andar por esta rodovia. 

Com a chegada da nova Central de Abastecimento (Ceasa) e a conclusão da BR-235, no trecho que une os municípios de Carira (SE) à Jeremoabo (BA), outra luta e conquista que contou com a nossa participação, por onde será possível escoar a produção frutífera de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), esse movimento só tende a aumentar, por isso, a importância dessa duplicação. 

A primeira etapa da duplicação, pelos estudos que foram feitos, está prevista para ir da Osvaldo Aranha, em Aracaju, até a Terra Dura, na entrada que vai para Ribeirópolis e bifurca para Frei Paulo, para no futuro fazermos a outra parte. Teremos aqui uma rodovia capaz de atender as necessidades deste município”.

Jackson também explanou que o governo estuda projetos para melhor as demais rodovias da região. “Por outro lado, a gente está fazendo estudos, porque o Banco do Nordeste (BNB) tem muito dinheiro, mas o governo tem dificuldades para levar esse dinheiro para a área pública. O setor privado, com a crise, tem reduzido a busca por empréstimos nos bancos oficiais. E nós, governadores do Nordeste, estamos vendo se o governo cria uma linha de crédito, através desses recursos do BNB, que são altos, para ajudar um pouco os estados do Nordeste a se estruturarem. 

Por exemplo, em uma região como a de Itabaiana, temos um projeto para melhorar as rodovias, o projeto que queremos é uma rodovia que vem de Moita Bonita a Itabaiana, segue Campo do Brito, Macambira, São Domingos, Lagarto até Tobias Barreto e Poço Verde. Seria um investimento em torno de quase R$ 170 milhões, que o Estado não tem, mas se tivesse um financiamento do Banco do Nordeste, teríamos condições de assumir esta responsabilidade e estamos preparando este projeto, porque sabemos da necessidade das vias dessa região. 

Agora mesmo compramos 4 mil toneladas de asfalto para fazer operação tapa buraco, pois estamos cientes das condições das estradas e assim que as chuvas reduzirem vamos continuar a operação de recuperação do asfalto nesta região”.

Após dois anos de concessão, BR-040 ainda aguarda licença ambiental para início de duplicação

22/06/2017 - Hoje em Dia

Paula Bicalho
pbicalho@hojeemdia.com.br

Frederico Haikal / Hoje em Dia

Uma audiência pública da Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), realizada nesta quinta-feira (22), concluiu que a construção de trevos e a duplicação da BR-040 ainda depende de licenças e ajustes na questão ambiental. 

As melhorias estão sendo aguardadas há dois anos por usuários da rodovia em Minas. Participaram da reunião representantes do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O objetivo da audiência, pedida pelo deputado Fred Costa (PEN), era cobrar agilidade no cumprimento do cronograma de obras na rodovia, a cargo da concessionária Via-040.

Segundo o parlamentar, que criticou a ausência de representantes da concessionária na audiência, o contrato de concessão foi firmado em 2014, abrangendo 936 quilômetros entre as cidades de Brasília (DF) e Juiz de Fora (Zona da Mata). 

Do trajeto total, apenas 5%, ou 40 quilômetros, responderiam por 30% dos acidentes ocorridos em toda a estrada, sendo eles situados em Minas Gerais, entre os kms 520 e 560, no trecho Belo Horizonte-Itabirito.

Ainda assim, o prazo contratual para que a concessionária duplique trechos como estes ainda não começou a correr, segundo informou o coordenador de infraestrutura rodoviária da ANTT em Minas, Thales Pimenta Carvalho. 

Ele explicou que, embora o contrato de concessão à Via-040 tenha sido assinado em abril de 2014, a União realizou o licenciamento ambiental por meio da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), que ainda detém a titularidade da licença.

"Somente quando esta titularidade for transferida à Via-040 é que começará a ser contado o prazo de cinco anos para que 100% da duplicação prevista esteja concluída", explicou o coordenador da ANTT.

Até lá, segundo Thales, não pode ser aplicada à concessionária a penalidade de multas relativas a atrasos no cronograma de duplicação. No caso, cabe apenas aplicar o chamado desconto de reequilíbrio, para reduzir o valor do pedágio onde já houver a cobrança. 

Sobre a transferência da licença ainda não ter sido realizada, o coordenador da agência disse que o fato se deve à contestação, pela concessionária, de algumas das condicionantes ambientais previstas no documento.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Faixa adicional é inaugurada na Rodovia dos Bandeirantes em Jundiaí

21/06/2017 - G1 Sorocaba e Jundiaí

Obra teve investimento de R$ 16,9 milhões e deve trazer maior fluidez ao trecho por onde passam, em média, 47 mil veículos por dia. Alckmin esteve na cerimônia de entrega, nesta 4ª.

Faixa adicional é inaugurada na Rodovia dos Bandeirantes em Jundiaí

O novo trecho de faixa adicional na Rodovia dos Bandeirantes, com implantação de quarta faixa entre os quilômetros 50,8 e 53,7, em Jundiaí (SP), foi inaugurado nesta quarta-feira (21). A obra teve investimento de R$ 16,9 milhões e deve trazer maior fluidez ao trecho por onde passam, em média, 47 mil veículos por dia.

Além da implantação de 2,9 mil metros de novas faixas, as obras contemplaram ainda o alargamento de três viadutos existentes no trecho. Serão beneficiados motoristas que realizam viagens de média e longa distância pela SP-348 e também os moradores das cidades que compõem o Aglomerado Urbano de Jundiaí.

A obra foi entregue pelo governador Geraldo Alckimin (PSDB). Depois da inauguração, o governador vistoriou as obras do Complexo Viário de Jundiaí, na Rodovia Anhanguera, cuja conclusão da primeira etapa está prevista para janeiro de 2018.

Complexo Jundiaí

Obras do Complexo Viário Jundiaí, na Rodovia Anhanguera (Foto: Diogo Moreira/A2img)
Obras do Complexo Viário Jundiaí, na Rodovia Anhanguera (Foto: Diogo Moreira/A2img)

As obras do Complexo de Jundiaí foram iniciadas em abril do ano passado. As intervenções devem facilitar o acesso a bairros e à Rodoviária de Jundiaí, além de melhorar a mobilidade dentro do município por facilitar a transposição da rodovia em dois novos pontos. A previsão é de que em janeiro seja concluído o Trevo Nove de Julho, no quilômetro 55,9 da SP-330.

Composto por alças de acesso da pista sentido capital da Anhanguera para a Avenida 9 de Julho, irá facilitar o acesso para a Rodoviária de Jundiaí e irá melhorar a mobilidade dos ônibus que saem do Terminal com destino à cidade de São Paulo.

A outra etapa da obra é a implantação do Viaduto das Valquírias, no quilômetro 58,9 da Anhanguera. A estrutura irá interligar as avenidas Osmundo dos Santos Pellegrini e Jacyro Martinasso, propiciando uma importante nova ligação entre bairros como Medeiros, Eloy chaves e Fazenda Grande e o Centro da cidade.

O novo viaduto irá tirar tráfego da rodovia, principalmente do trevo do quilômetro 58. A previsão de entrega dessa etapa da obra é julho de 2018.

Faixa adicional da Rodovia dos Bandeirantes é liberada no trecho de Jundiaí (Foto: Diogo Moreira/A2img)
Faixa adicional da Rodovia dos Bandeirantes é liberada no trecho de Jundiaí (Foto: Diogo Moreira/A2img) 

Não pagamento de taxas ambientais atrasa obras de duplicação da BR 101 no ES

21/06/2017 - Aqui Notícias

LINK DA MATÉRIA:

domingo, 18 de junho de 2017

'Uber do ônibus' promete passagem 50% mais barata

17/06/17 - O Tempo

Plataforma Buser inicia operações em junho, com rotas entre Belo Horizonte, Ipatinga e Viçosa

de
Responsáveis pelo Buser prometem seguir regras do DEER para viagens fretadas; associação de usuários desconfia

LUDMILA PIZARRO

Com preços até 50% menores que a concorrência, a Buser, plataforma desenvolvida em Belo Horizonte, promete levar ao mercado das viagens intermunicipais e interestaduais a mesma revolução feita pela Uber no transporte de passageiros nas grandes cidades. “Se uma pessoa freta um ônibus para determinada cidade, o valor unitário fica menor. O que estamos fazendo é isso. Temos empresas parceiras de fretamento de ônibus e conectamos pessoas que querem ir para o mesmo destino”, afirma o sócio da Buser, Marcelo Vasconcellos.

A empresa começará a operar no mês que vem. As duas primeiras viagens sairão no dia 7 de julho da capital mineira com destino a Ipatinga e Viçosa. Segundo Vasconcellos, os próximos destinos serão São Paulo e Rio de Janeiro, saindo de Belo Horizonte. No futuro, a empresa deve realizar viagens entre São Paulo e Curitiba e São Paulo e Rio de Janeiro. Além de preço, a Buser também promete conforto, com ônibus executivos e semi-leitos.

Mas assim como a Uber, a Buser não deve escapar da polêmica, já que as rotas de viagens entre municípios no Brasil são feitas por concessão pública. Responsável pela autorização de viagens intermunicipais em Minas, o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem do Estado (DEER/MG) divulgou em nota que “até o momento, não foi consultado oficialmente pelos idealizadores do aplicativo e sobre sua implementação”.

Segundo o órgão, empresas que fazem “o transporte remunerado de pessoas” devem seguir a legislação e que viagens com ônibus fretados precisam apresentar uma lista com o nome dos passageiros fechada, com antecedência de 12 horas da viagem. Os passageiros que vão ao destino devem ser os mesmos que voltam. Vasconcellos, porém, afirma que a empresa seguirá essa legislação. “Estamos dentro do marco regulatório. As empresas parceiras que farão as viagens são licenciadas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e pelo DEER”, diz.

Responsável pelas viagens interestaduais, a ANTT informa que “para prestar serviço de transporte interestadual de passageiros a empresa deverá estar autorizada por essa agência, após cumprir as exigências contidas na legislação”.

O presidente da Confederação Nacional dos Usuários de Transportes (Conut), José Felinto, diz que a proposta gera desconfiança. “Empresa de fretamento não pode ter linha regular, são coisas diferentes”, adverte.

Em seu site, a Buser divulga que cobrará R$ 69,90 o trecho Curitiba a São Paulo. Para Felinto, esse valor pode configurar concorrência predatória. “Temos que ver a planilha de custo da empresa, mas é difícil imaginar que com esse custo, a empresa conseguirá um lucro acima de 5%”, avalia. “Se for seguro, pode ser bom para o usuário pelo desconto e pelo conforto”, pondera Felinto.

Cadastro. A Buser está cadastrando no site buser.com.br para os interessados em fazer viagens pela empresa. Para cadastrar-se é necessário informar o e-mail.



Lotação mínima será de 50% a 60%

O aplicativo para smartphones da Buser, que irá rodar em Android e iOS, será lançado no próximo mês. Por enquanto, a plataforma de viagens de ônibus está disponível para contato no próprio site e na página do Facebook. “Queremos lançar o aplicativo no dia 7 de julho, junto com a primeiras viagens, mas ainda estamos avaliando”, afirma o sócio da empresa, Marcelo Vasconcellos.

O empresário explica que a ideia da empresa não é vender passagens de última hora. “Precisamos fechar uma lista de passageiro, por isso estamos analisando um prazo de 72 horas para fechar a viagem”, diz.

Com lotação de 50% a 60% do ônibus já será possível garantir a viagem, segundo Vasconcellos. “Mesmo que nas primeiras viagens a gente fique no zero a zero, é importante garantir as viagens para que os usuários conheçam e divulguem o nosso trabalho”, avalia o empresário.

Dono critica legislação atual do setor

A regulação atual de transporte rodoviário intermunicipal e interestadual foi criticada pelo sócio da Buser, Marcelo Vasconcellos. “Todo marco regulatório é ultrapassado”, afirma. “Estamos trazendo para o Brasil um modelo de sucesso no exterior. Na Europa, o modelo brasileiro, em que as rotas são concedidas pelo governo a empresas, foi substituído por um modelo mais moderno”, acrescenta o sócio de Vasconcellos, Marcelo Abritta.

Mesmo assim, Vasconcellos afirma que a empresa está dentro da legislação atual brasileira. “No futuro, esperamos que o marco regulatório brasileiro se atualize. Mas hoje, estamos totalmente dentro da lei”, argumenta o empresário.